Índice do Artigo

Aonde acharam isso?

Minicelular escondido em tubo de pomada é apreendido em presídio de Uberlândia

Detento poderá sofrer sanções administrativas e penais

Minicelular
Créditos: Sejusp/Divulgação

Na manhã da última terça-feira (3), um celular minúsculo foi descoberto de forma inusitada na Penitenciária Professor João Pimenta da Veiga, em Uberlândia. O aparelho estava escondido dentro de um tubo de pomada anti-inflamatória, que fazia parte dos itens enviados por familiares via Sedex para um dos detentos da unidade prisional.

De acordo com a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), o momento surpreendente da descoberta foi registrado em vídeo pelos agentes penitenciários. Nas imagens, é possível observar o tubo de pomada sendo cuidadosamente cortado, revelando o celular minúsculo cuidadosamente acondicionado. O aparelho estava protegido para evitar danos causados pela pomada.

Detento pode ser punido

Diante do flagrante, o detento que seria o destinatário do celular passará pelo Conselho Disciplinar da penitenciária e pode sofrer sanções administrativas. Tanto o celular quanto o preso foram encaminhados para a delegacia da Polícia Civil, onde serão tomadas as providências no âmbito criminal.

Conforme informações da Sejusp, a apreensão ocorreu durante a rotineira revista aos materiais enviados por correspondências pelos familiares dos detentos. A segurança nas penitenciárias é uma preocupação constante das autoridades, visto que a presença de celulares e outros objetos proibidos pode facilitar a comunicação indevida dos presos com o mundo exterior, colocando em risco a ordem e a segurança das unidades prisionais.

A apreensão desse minicelular escondido dentro de um tubo de pomada reforça a importância das medidas de controle e fiscalização nas penitenciárias, buscando evitar a entrada de objetos não permitidos e garantindo a integridade do sistema prisional.

A Sejusp continua investigando o caso para identificar eventuais responsáveis pela tentativa de introduzir o celular na unidade prisional e tomará as medidas legais cabíveis.

Fonte: G1